quinta-feira, 3 de junho de 2010

O gato e os seus parentes

Gato que é gato adora mimos, que lhe cocem o pêlo e as orelhas e lhe dêem atenção. Mas só quando ele quer. Apenas nessas ocasiões. No resto do tempo, quer paz e sossego, uma bela sesta ao sol ou em cima da almofada mais fofa da cama do dono. Se formos lá chateá-lo rosna e morde, ou levanta-se e foge para debaixo da cama até desaparecermos da vista dele.

Vejo aqui certas semelhanças com outros mamíferos que gostam muito de companhia em certas alturas e nas outras mantêm distância. Ou pelo menos, tanto lhes faz se têm companhia ou não (ou assim parece).

Isto é uma coisa que me intriga um tanto ou quanto. Mas já aceito sem ficar magoada. Talvez também eu seja assim, às vezes. Já disse, esse deve ser mesmo o meu problema, essa semelhança com tais seres.

De qualquer forma, não há como fugir... Eu adoro gatos... e tudo quanto se parece com eles.

1 comentário:

Tete disse...

Tu és um pouco gato, sim. :))) Mas acho que todos o somos, todos gostamos de momentos com companhia e mimo, e de momentos sozinhos com a nossa vidinha. :)

Mas tal como alguns gatos, somos capazes de abandonar esse nosso desejo de solidão e juntarmo-nos aos outros seres que precisam de companhia, quando é preciso. ;)

Bjocas e vê lá se cortas as unhas que com o teu mau feitio estou mesmo a ver que qualquer dia levo uma unhada! ;)